17 de novembro de 2012

Ó Patria, ergue a tua voz!


Lamento informar que o objectivo da “Austeridade” não é deixar milhares de famílias sem um prato de sopa como refeição, ou até uma cama onde possam dormir, não é milhares de desempregados e queixas com falta de produção. Segundo os de título, “Austeridade” passa por existir rigor no controlo de gastos quando o nível de défice público é insustentável… Mas sabem? Porque não se controlaram antes, os filhos da puta que decidiram gastar dinheiro, não, peço perdão, balúrdios com submarinos, por exemplo? Portugal já estava afundado o suficiente, não havia necessidade de submarinos avaliados na ordem dos 60 milhões de euros, Paulinho Portas. Já dizia o Ministro da Economia e do (des)Emprego que o desemprego era prioridade total, com o número a aumentar drasticamente para 870 mil desempregados, é o que vale ser prioridade.
A nação saiu às ruas com indignação, lágrimas e sangue vertiam pelas caras de tantos inocentes, e assim continuará a ser enquanto os sentimentos presentes em cada um de nós for revolta e repulsão. Não chega manifestações em que a nossa voz não soe mais alto, não chega greves de um dia, não chega pedras de calçada, petardos, foguetes. Por mais mal que soe, a recorrência à violência terá de ser feita, se assim não for, de nada adiantará. Os números de feridos fizeram-se sentir no passado dia 14 de Novembro, mas quem é a G.N.R, a Intervenção e tudo que lhes valha, quando o povo é maioritário? Existirá razão de tal medo? Medo de lutar por um país melhor? Medo de lutar pelo aquilo que a nós pertence? As fugas não poderão existir, a luta terá de ser permanente, sem trepidezes.
Tuga, faz a tua voz soar mais alto e luta, luta até os (des)favorecidos do poder que te afogaram ficarem exactamente como te deixaram.
“Heróis do mar, nobre povo,
Nação valente, imortal,
Levantai hoje de novo
O esplendor de Portugal!
Entre as brumas da memória,
Ó Pátria sente-se a voz
Dos teus egrégios avós,
Que há-de guiar-te à vitória!”
Realmente, a primeira quadra do nosso hino, dá bastante que pensar.

2 comentários:

Anónimo disse...

sou a favor de tornares certas postagens do blog em videos. acredita, se conseguires tens futuro

Tiago Ventura disse...

Enquanto as pessoas, não pensarem um pouco não como pessoas, mas cmo um todo que é o país e começarem a ver que pagar impostos é bom, faz com que a portugal, possa evoluir! ( não digo que a modalidade desta austeridade seja a mais correcta, mas... ) então aí veremos que quando nos unirmos todos em vez de andar com bombos pela av. da liberdade abaixo a dizer que protestamos com qualquer coisa, tudo vai correr melhor!!!